bipbipzuuummm

Sunday, September 03, 2006

HOJE NÃO

Hoje não dou título a coisa nenhuma. Vou discorrer. Primeiro meto-me na minha limusine e digo ao meu "chauffeur"...
- Já sei que é francês... Mas é de propósito, é para dar um ar... como direi... "snob"...
- Irra, e isto é inglês, já sei, já sei! Mas enfim, quis ser claro, quis exprimir-me por forma a ser entendido "urbi et orbi"...
- ?! Então? Nada a assinalar? Trrrrim,trrrrrim! Eh! Ó da casa! Nada a assinalar? Acabo de usar uma expressão estrangeira!
- Ah, não é estrangeiro, é latim... Pois... Continuemos...
...na minha limusine e digo ao meu MOTORISTA...
- Ó da casa! E "limusine", isso não é estrangeiro?
- Ah, está consagrado... E assim não acabo o que ia a dizer... Bem observado... MAS NESSE CASO, QUER PARAR DE INTERROMPER? Mmm... Peço desculpa, perdi um pouco a compostura... Vamos lá continuar...
Portanto, primeiro meto-me no meu automóvel, e desta vez vou eu a conduzir, mas nas calmas, sem atropelar velhinhas, nem cegos, respeitando (para variar) as pessoas que se deslocam em cadeira de rodas, ou que atravessam apoiadas em canadianas...
- Que é agora? São uma espécie de muletas. Ah, era isso que tinha pensado? Para isso, não precisa de ir ao Canadá, basta estar onde está, abra uma janela e, de olhos fechados, estenda os braços. Não vai tardar a apanhar duas. Portanto continuemos.
Exactamente, não atropelarei (pelo menos deliberadamente) pessoas que se apoiem em canadianas...
- Ora a minha vida! Mas o que é você quer? Ah, fez o que eu disse: abriu a janela e, de olhos fechados, etc... Apanhou duas bolachadas? Muito bem, qual é a novidade? Ah, pensou que eu queria dizer "duas garinas", "duas gajas"... Em vez disso, levou duas bolachadas dum marido zeloso e não levou mais porque fechou apressadamente - disse apressadamente, não disse? - isso, fechou apressadamente a janela. Exacto. Está tudo em conformidade, "tudo nus confórrrmi". Estava-se mesmo a ver que você ia levar duas galhetas, sem poder acusar-me, a mim, de lhe ter batido, ainda que não me faltasse vontade. E agora vá dar uma volta a um estádio de futebol. A qual? Escolha você. E depois vá à sua casa de banho ver se eu lá estou. Eu vou continuar. Tenho preocupações, altas preocupações intelectuais a satisfazer. Isso, passe bem.
Ora bem, estava a dizer... Ah, exactamente, sem atropelar velhinhas, etc, prestando atenção a pessoas com italianas, perdão, com canadianas (já eu estava como aquele chaval), enfim, de harmonia com os códigos todos, da estrada, da corda, da máfia, enfim, na mais apardalada, na mais macambúzia pacatez.
Não, alto lá, vamos voltar ao princípio, quero o meu "chauffeur", quero a minha limusine, quero todas essas coisas boas. E antes de virem falar-me de estrangeirismos, vejam-se ao espelho e façam, na desavergonhada presença de vós mesmos, o vosso exame de consciência, sim, aquele que vos acusará de estardes de cinco em cinco minutos a usar expressões como "só que" (em vez de "somente"), "era suposto" (em vez de "deveria"), "alegadamente" (em vez de "ao que parece") e outras!
Entretanto, e enquanto escrevo, quero fechar-me. Atenção, vou bater com a porta! Irra! Preciso de concentração!

Monday, November 14, 2005

PAUSADO (de novo)

Então, amigo, anda aí de canivete à mostra? Ah, isso é uma navalha!... Peço desculpa! E levo uma naifada se não lhe entregar o dinheiro? Mas eu não tenho o seu dinheiro, meu amigo, só tenho o meu dinheiro... Ah, o meu amigo quer mesmo é esse dinheiro, o meu dinheiro. Tem a certeza? Ah, tem. E é melhor eu despachar-me. Já percebi, o amigo está atrasado para o comboio... Sabe, eu dava-lhe o dinheiro, mas é que hoje faz-me diferença... Está a gritar? Dói-lhe alguma coisa? Nãp percebo... Ah, o braço... Estou a torcer-lhe o braço? Eu sei, não precisa de me informar... Quer que eu largue? Vá lá, amigo, tenha lá calma... Senão "levo"? De quem?! Ah, dos seus amigos... E aí vêm eles? São aqueles rapazitos de faquita na mão? Ah, sim, aquilo são navalhas, já me esquecia... De qualquer forma, ainda bem, porque isto estava um bocado parado... Sou maluco?! Amigo, ponha-se manso!... Se me chama nomes, ainda o aleijo!... Já o estou a aleijar? O amigo sempre me saiu assim para o amaricado... Uma torçãozinha no braço e já diz que o estou a aleijar... Vê aquele alto, quer dizer, comprido? Aquele que acabou de levar um murro? E aquele gordo, está a ver? Também levou um murro... Por que é que os outros não avançam? Como quer que eu saiba? Isso, chame-os, eles estão um bocadinho reticentes... Bem, mais um que avançou... Então, amigo, está a chorar? Tenha-se lá, que ele não está morto, só levou um murro e ficou assim para o paradote... Ora esta, os outros estão a pegar naqueles três e está tudo a ir-se embora... Fosse lá adivinhar... Como? O amigo também se quer ir embora? Calma! Eu tenho aqui precisamente vinte mil euros em notas, é a entrada para o meu carro novo, e faço questão de que o amigo venha ver-me pagar a entrada para o meu carro, e até lhe ofereço a primeira boleia no meu pechisbeque novo, que tal? Ah, desculpe, endireitei-o, mas estava a apertar-lhe um bocadinho o pescoço... O amigo tem sempre os olhos assim esbugalhados? Ah, está a ficar melhor, se calhar não ficava mal eu apertar-lhe o pescoço um bocadinho menos, o suficiente para o amigo não se esquecer de respirar... "Se faz favor"? Isso é que é progresso! Como? Quer ir-se embora? A sua mãe vai ficar preocupada? "Se faz favor"? "Pela sua saúde"? Aguente-se lá um bocadinho, que eu gosto da sua companhia... Já lhe disse que o amigo me faz lembrar um sujeito lá da minha terra? Se bem que o fulano é assim um bocado para o parvo, não tem esse ar esperto e decidido do meu amigo... Está outra vez a chorar? E quer que lhe largue o pescoço? Mas agora estou a agarrá-lo só com a mão... Não acha que está a fazer um bocado figura de maricas? Ah, o amigo É maricas!... Já podia ter dito... Era para isso que queria o dinheiro, então... Para pagar uns favorzitos feitos ao seu rabiosque... Mas olhe que eu posso apresentar-lhe uns fulanos que fazem TUDO ao seu rabiosque sem lhe levarem nada!... Sou amigo ou não sou? Ah, o amigo NÃO é maricas! Mas disse que era... Ah, a ver se eu o largava... Seu vivaço! Ora ali está o meu carrito e o vendedor do mesmo... Vou metê-lo no porta-bagagens com a cabeça de fora, para o meu amigo ver... Tem de ser assim, senão o amigo põe-se ao fresco, obriga-me a persegui-lo... E eu vou ter de o apanhar, porque GOSTO mesmo da sua companhia... Mas afinal está a chorar porquê? (Vá lá perceber... Ele há cada um...)

Tuesday, October 25, 2005

Resultou!

Consegui! Parafraseando esse grande filósofo, Sócrates! (Como? Ah, Sócrates disse "eu só sei que nada sei", este Sócrates é outro, conhecido por ter dito "conseguimos" e por ter a mania que sabe tudo? Fiz confusão? E sou ligeiramente burro? Pronto, pronto...) Bem, mas consegui. Vou fazer este segundo teste, e depois vou escrever outra coisa. Não me faltam coisas para escrever, sou um privilegiado. Gramava até que me tirassem uns quantos privilégios. Irra, que isto assim são privilégios a mais! (Perdão?! Não sou ligeiramente burro? O que sou é um acabadíssimo asno? Já me tiraram a manteiga, preparam-se para me tirarem o pão, vou ficar confinado a comer os macacos do nariz, e se acho que sou privilegiado é porque só me falta zurrar? Mas eu sei zurrar, quer ouvir? Ah, não? E vou aonde?!...) Ahm... Desculpem, é uma vizinha minha que... enfim, pronto. Parece que o bip está de volta. Hoje não faço comentários. Comento nos dias em que não escreva, e escrevo nos dias em que não comente. Não: escrevo nos dias em que escrevo, e comento nos dias em que comento. Gaita, isto está confuso. Precisemos: nos dias em que escreva, não comentarei, nos dias em que comente, não escreverei. (Siiiim?... Acabo com isto? Irra que chato? Chato eu? Eu e a minha avozinha? Não pode deixar a velhota fora disto, baby? Vou-me quê? De bom grado, mas sozinho? Não me arranja uma colaboradora? Olha, bateu com a porta...) Bem, então inté!!!

Chamem os bombeiros!

Estes marotos do blogspot querem apagar-me! Dizem-me que sou um desleixado e que raramente assento aqui o meu respeitável "amidships tube"... Como se eu fosse algum contratorpedeiro equipado para lançamento de torpedos! (Bem, estou equipado para... Hum! Adiante!...) Venho aqui sempre que me lembro, estou com disposição e tenho o computador na minha frente! Sim, é certo, a conjugação destes três factores não é assim tão frequente. (Olhem, se eu tivesse a mesma assiduidade para... Bem, ok! Siga!...) Por isso, vou publicar este texto, é uma espécie de teste. Mas vou ter pena de deixar o bip. Posso talvez tirar-lhe um "u", ou acrescentar-lhe um "u". Logo se vê. Mal posso esperar...

Friday, September 23, 2005

Compositum?

Citação do dia:
- "Barbeava-se, impaciente. E, quanta vez, ao barbear-se, lhe retornava à lembrança aquela manhã em que, chegados de véspera, tanto o pai como ele se encontravam sem sabão de barba nem sabonete que remediasse.E ambos a recorrerem ao infeliz remedeio de um naco de sabão azul e branco cedido pela caseira" - 'A Toca do Lobo' - Tomaz de Figueiredo

Preocupação do dia:
- Se eu contar o ordenado em cêntimos e as despesas em contos, deixarei de ter dificuldades na vida?

Provérbio do dia:
- Antes acompanhado, ainda que mal, do que só. (Como não é assim? Caluda, que agora escrevo eu!)

Saldo do dia:
- ...Bem... ...cheguei ao fim do dia sem resíduos de comida entre os dentes... ...não me digam que não é positivo...

Pensamento safado do dia:
- Útil, útil, seria conhecer os nomes e os hábitos dos deputados e deputadas que são fãs de sexo anal.

Pensamento nobre do dia:
- "Toi, petit, que tes parents / Ont laissé seul sur la terre" - (L'important c'est la rose)

Wednesday, September 14, 2005

IRRA!

Já tinha feito o meu texto e o maldito perdeu-se. Falava de gatos, deveres familiares e políticos que gostam de sexo anal. Ia precisamente escrever a minha receita de bacalhau "à come e cala-te". Irra, que assim é demais! Amanhã volto a tentar! Inté!

Wednesday, July 20, 2005

À fava o título!

Frase do dia:
«A carne de galinha lá em África é de graça» - Vergílio Ferreira - Alegria Breve

A minha promessa de hoje:
- Amanhã não como lagosta. [Isto soa mais a previsão do que a promessa...]

A minha reflexão de hoje:
- O fortunatus nimium sua si bona norint agricolas! [Fanei esta ao velho Horácio, tem dois mil anos, mas eu hoje estou obtuso quanto a reflexões]

O meu pensamento infame de hoje:
- Quero ser declarado o inventor do sexo e receber 10 cêntimos por cada ser humano vivo no presente e no futuro. [10 cêntimos vezes 3 biliões dá 30 biliões de cêntimos, isto é, 3 biliões de euros, mais 1 milhão de euros por dia por conta dos recém-nascidos, que vidaça!]

O meu pensamento nobre de hoje:
- Tal como a quietude do vento permite perscrutar as águas, assim a serenidade do espírito nos permite perscrutar os nossos corações.

Wednesday, June 29, 2005

Compositum I

Frase do dia:
- "Lambão, meu grandessíssimo filho duma vaca, és tu, teu pai e teu avô!" (Aquilino Ribeiro, A Casa do Escorpião)

O que pensei do Governo HOJE:
- "A pequenez mental entrou, de vez, no dia-a-dia"

A minha promessa de hoje:
- "Não voltarei a pensar no Governo".

A minha reflexão de hoje:
- "Se fosse um miúdo da Micronésia, não reflectia, pescava".

O meu pensamento infame de hoje:
- "VÂO TODOS À MERDA!"

O meu pensamento nobre de hoje:
- "Meus companheiros de aventura tudo farei para salvar" - e nem é meu, é do Zé Afonso.